22 novembro 2016

Do LIXO ao LUXO

Olá!!! Tudo bem? Neste post quero mostrar para vocês como se tornar um “CAÇADOR DE PRECIOSIDADES NO LIXO” como eu.


“CAÇADOR DE PRECIOSIDADES NO LIXO"??? COMO ASSIM???

Assim como eu, muitas pessoas tem aquele olhar criativo e minucioso quando passa por uma caçamba ou até mesmo a calçada do vizinho onde, de vez em quando, aparece algo “novo” que irá para o lixo. E não é porque está jogado como entulho (móvel, cadeira, gaveta, dentre tantas outras preciosidades) que elas devem ser consideradas lixos inúteis.


Hoje em dia o TABU de que é feio pegar coisa do lixo, ou é nojento ou estereótipos do tipo, não são mais usados pela população criativa e que veem no lixo possibilidades inovadoras, criativas e ecológicas. Nos EUA, por exemplo, em alguns lugares existe um dia em que as prefeituras recolhem os lixos “não tradicionais”, ou seja, aqueles que não cabem no latão de lixo. Então, aquilo que não é mas útil para um, vira um tesouro para outro como eletrodomésticos, móveis, cadeiras, sofá, penteadeira, considerado então um “Shopping a céu aberto”.


Você deve falar: “Puxa!!! Somente pessoas que moram na rua ou que passam necessidade devem pegar estas coisas!!!" AÍ QUE VOCÊ SE ENGANA! Um bom exemplo de que TODOS os tipos de pessoas que andam pelas ruas e acham preciosidades não têm vergonha de pegar, é a Paulistana e artista por formação, Raiza Costa,  que se tornou chef de confeitaria em 2010 e mora no Brooklyn. Em um dos episódios do seu programa no GNT, ”Rainha da Cocada”, ela fala sobre coisas fofas, boas e muito úteis que foram para o lixo e agora brilham em sua casa super fofa.

(Raiza Costa em sua casa no Brooklyn)

Uma outra história que achei SUPERHIPERMEGAULTRA interessante, e que vai de encontro a esta visão “do lixo ao luxo”, é  a do Design de Interiores francês, Grégoire Abrial . Muito interessante!!! VALE A PENA LER...



Assim como a Chef Raiza Costa, o francês Abrial  também mora no Brooklyn-EUA  e vê muitas pessoas descartarem móveis indesejados na rua e que, muitas vezes, outras pessoas os recolhem. Foi com estes móveis e com o seu trabalho de designer, que ele mobiliou todo o seu apartamento. Ao parar para analisar o período de “Black Friday”, observou que as pessoas lotam as lojas loucas para comprar. Foi então que ele teve a idéia de criar o “Bright Friday”, pegando 12 peças de mobílias velhas na rua, restaurando-as e voltando a devolvê-las à rua para que pessoas possam encontrar estes móveis reformados e levar para casa. O objetivo de “Bright Friday” é despertar nas pessoas uma consciência sustentável.







(*Grégoire Abrial Fotos: Divulgação)

Se quiser ler de forma mais detalhada sobre esta história é só entrar no link http://www.gregoire-abrial.net/.

Nesse mundo globalizado em que vivemos, o consumismo se tornou algo “normal” no dia a dia da população. Mas podemos perceber que ao longo dos anos este consumismo está se tornando extremamente desenfreado. Mas porque este assunto?


Hoje em dia, quem não quer ter aquele móvel que é a tendência do momento, ou aquele item de decoração singular?! É neste momento que entra o “CAÇADOR DE PRECIOSIDADES”! Que tal ter um móvel exclusivo, com a sua personalidade e estilo?!!!




"Nada melhor que criatividade, força de 

vontade para transformar do lixo em 

luxo..."

2 comentários:

Ana Claudia Muniz disse...

Adorei o texto!
As vezes me pego de olho nas calçadas onde colocam os "lixos" e realmente encontro algo que posso reciclar e transformar e enfeitar um cantinho da minha casa!

Andreia Salles disse...

Estou passando a olhar o lixo de outra forma agora. Quando olho "algo" nas calçadas e nas ruas, não enxergo mais como lixo, mas como possibilidades de transformar aquilo que aparentemente não tem valor em algo lindo, útil e decorativo. Valeu pelo exemplo de vida, Amanda!Acredito plenamente que a sustentabilidade e beleza de um modo geral devem andar de mãos dadas.